sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

Mamífero pré-histórico é achado na Argentina após 10.000 anos enterrado




Um gliptodonte, mamífero pré-histórico, foi achado sob o solo de uma fábrica da província de Buenos Aires após ficar mais de 10.000 anos enterrado, informou nesta quinta-feira à Agência Efe Damián Voglino, paleontólogo do Centro de Registro do Patrimônio Arqueológico e Paleontológico (Crepap). 


O fóssil foi achado há aproximadamente 15 dias na cidade de Rojas, a 240 quilômetros da capital, quando operários trabalhavam na criação de um poço nas imediações da fábrica Almar. 


"Eles se deram conta que havia algo raro, uma estrutura porosa e branca. Imediatamente pensaram que podia ser um resto fóssil", relatou Voglino. 


O mamífero pré-histórico achado "não está completo", mas foi possível identificar "distintas partes anatômicas". 


Dentro da carapaça havia restos espalhados, o quadril e as vértebras, detalhou o paleontólogo. 


Apesar de os gliptodontes poderem chegar a medir até dois metros, o achado é "um dos menores", com um tamanho de cerca de um metro e meio. 


Em sua opinião, o achado é "significativo" pelas estruturas biológicas que rodeiam o fóssil e que permitem reconstruir o "paleoclima" no qual viveram estes animais. 


"É um animal relativamente frequente e o contexto no qual foi encontrado é analisado como se estuda a cena de um crime", acrescentou. 


"Graças à análise dos microestratos, de elementos biológicos do passado ou gerados depois, como os minerais (...), se pode reconstruir o cenário", ressaltou o paleontólogo. 


Na extração do fóssil, iniciada há três dias, participou "toda a comunidade". 


"O interessante dos achados é que mobilizam toda a população. As pessoas se envolvem em algo que lhes pertence e assim podem contar que a história não começou com a chegada de Colombo a América, mas há mais de 10.000 anos de antiguidade com a aparição de plantas ou paisagens", comentou Voglino. 


Como a cidade de Rojas não conta com um museu com as características necessárias para abrigar o fóssil, a fundação da fábrica Almar estuda instalar "um espaço" para que o fóssil possa ser exibido onde foi encontrado. 


Para isso ambas instituições cuidarão para que se desenvolvam as atuações necessárias para dotar o gliptodonte de um número de coleção e um local de armazenamento adequado, indicou Voglino.





Fonte: Terra

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Inglaterra: descoberta fossa comum fora de Londres de vítimas da peste negra










Arqueólogos descobriram a primeira grande fossa comum britânica situada fora de Londres com vítimas da grande "peste negra" que matou metade da população inglesa no século XIV, anunciou na quarta-feira a Universidade de Sheffield.


Os esqueletos de 48 pessoas, entre elas 27 crianças, foram encontrados perto do hospital de um mosteiro do século XIV na Abadia de Thornto, no condado de Lincolnshire (leste da Inglaterra).


"As duas únicas fossas comuns de vítimas da peste bubônica identificadas até hoje estavam em Londres", explicou Hugh Willmott, do departamento de Arqueologia da Universidade de Sheffield, que dirigiu as escavações, em declarações publicadas no site da instituição.


"A descoberta de um sepultamento em massa anteriormente desconhecido e completamente inesperado que data desse período em um canto tranquilo do Lincolnshire rural é até agora único e esclarece as reais dificuldades enfrentadas por uma pequena comunidade mal preparada para lidar com uma ameaça tão devastadora", afirma Willmott.


Os arqueólogos sabem de que maneira a peste afetou Londres, mas têm poucas informações sobre como a epidemia atingiu o campo, e esta descoberta demonstra que os povoados também tiveram que alterar suas rotinas funerárias e lidar com grandes quantidades de vítimas ao mesmo tempo.


A peste negra, transmitida principalmente por ratos, provocou uma das piores epidemias da história, matando entre 75 e 200 milhões de pessoas na Europa no século XIV, três milhões delas na Inglaterra, que tinha então uma população de seis milhões de habitantes.





Fonte: Yahoo!

Arquivos Insólitos 94




O Globo, 05 de Dezembro de 1951

Pesquisa com DNA revela pista de como cachorros se tornaram 'melhor amigo do homem'



Uma nova pesquisa reforça a teoria de que cães podem ser sido domesticados a partir de lobos que frequentavam os primeiros assentamentos humanos procurando por restos de comida. 


De acordo com provas obtidas a partir de DNA, o estudo sugere que cães desenvolveram a habilidade de digerir alimentos ricos em amido durante a revolução agrícola há milhares de anos. 


Os cachorros modernos podem tolerar dietas ricas em amido, algo que os lobos, carnívoros, não fazem. Isto foi comprovado em um estudo anterior que encontrou no cão moderno genes para a digestão de amidos. 


Um estudo do DNA extraído dos ossos e dentes de cães antigos em sítios arqueológicos na Europa e na Ásia sugere que a habilidade de tolerar alimentos com amido já existe há milhares de anos, talvez há 7 mil anos. 


A pesquisadora Morgane Ollivier, da École Normale Supérieure (ENS), de Lyon, na França, disse que o desenvolvimento cultural humano influenciou a domesticação do cachorro. 


Amostras de DNA com idades entre 8 e 4 mil anos mostram que a habilidade dos cães de digerir o amido é antiga, da época em que as sociedades de caçadores-coletorers adotaram a agricultura. 


"Como (as provas) estavam ausentes de contextos dos caçadores-coletorers, ligamos (o desenvolvimento da habilidade de digerir amido) ao desenvolvimento da agricultura nas primeiras sociedades agrícolas", explicou Ollivier à BBC. 


"Isto provavelmente constituiu uma vantagem seletiva importante para os cachorros que se alimentavam dos restos deixados por humanos em um contexto mais agrícola." 


"É um exemplo incrível de evolução paralela da cultura humana (surgimento da agricultura) e do genoma do cachorro", acrescentou. 


Lobos domados 

 

Cães podem ter começado a comer restos de refeições humanas ainda no início da agricultura
Cães podem ter começado a comer restos de refeições humanas ainda no início da agricultura Foto: iStock
Cães foram domesticados a partir de lobos mas cientistas ainda não sabem explicar exatamente como isto ocorreu       
Cães foram domesticados a partir de lobos mas cientistas ainda não sabem explicar exatamente como isto ocorreu Foto: iStock
 
Existe uma divisão entre cientistas sobre como os cães foram domesticados a partir dos lobos. 


Uma sugestão é que os antigos caçadores-coletores usavam os lobos como companheiros de caçadas ou como cães de guarda primitivos, gradualmente conseguindo treinar e domar estes lobos. 


Mas outros argumentam que a domesticação começou mais tarde, quando os lobos passaram a roubar restos de comida dos assentamentos e começaram a viver junto dos humanos. 


A nova pesquisa da ENS de Lyon, publicada na revista especializada Royal Society Open Science , analisou o DNA de ossos de cães em oito sítios arqueológicos espalhados pela Europa e no Turcomenistão.


E as conclusões dão mais peso à teoria de que os cães foram domesticados quando entraram nos assentamentos humanos para roubar comida, evoluindo aos poucos a habilidade de sobreviver se alimentando da dieta humana. 


A estimativa de cientistas é de que os cães começaram a se desenvolver como subespécie (C anis lupus familiaris ) da espécie Canis lupus há cerca de 15 mil anos. 


Mas ainda não está exatamente claro como e quando a relação entre a humanidade e os cachorros começou. 


Alguns cientistas até apoiam a ideia de que a domesticação dos cães pode ter ocorrido em várias ondas, em ocasiões diversas durante a história.





Fonte: Terra

Suposto ovni em Maceió não foi detectado pela aeronáutica; ufólogo comenta caso

Para ufólogo, ovni é legítimo, já para astrônomo, trata-se do planeta Vênus
 
 
Para astrônomo, o que aparece na filmagem é apenas o planeta Vênus.
 
 
O objeto voador não identificado (ovni) avistado e filmado no sábado (26), em Maceió, tem um formato parecido com outros avistamentos do fenômeno na capital alagoana, de acordo com o ufólogo e jornalista Raudrin de Lima.


Já o presidente do Centro de Estudos Astronômicos de Alagoas, Romualdo Artur Alencar, acredita que se trata apenas do planeta Vênus.


O objeto, de formato esférico e de luz forte, que ficava mudando de cor, foi filmado pelo publicitário João Queiroz no bairro do Pinheiro, na parte alta da cidade. O fenômeno, segundo o publicitário, durou menos de 20 minutos e desapareceu.


O jornalista e ufólogo Raudrin de Lima observou as imagens feitas pelo publicitário e afirmou que esse formato de ovni já foi avistado nos bairros Prado, Poço e Farol, em Maceió, há algum tempo.


“Em um dos avistamentos, o objeto fazia movimentos em alta velocidade do litoral até o bairro do Farol”, afirmou o ufólogo. Em um vídeo publicado no Youtube, é possível ver um objeto semelhante ao avistado no sábado no bairro do Poço no ano de 2013. O objeto, também esférico e de luz forte, move-se pelo céu, porém, em um certo momento, fica parado e depois some.


O ufólogo afirma que não existe a possibilidade do objeto flagrado no sábado ser um balão. “A luz que o objeto produz é diferenciada de algo como um balão”, disse. Raudrin diz ainda que a cidade de Maceió já presenciou avistamentos de ovnis em diversos bairros ao longo dos anos, porém, é o litoral alagoano o local ‘campeão’ de observações do fenômeno no Estado.


Romualdo Alencar, presidente do Centro de Estudos Astronômicos de Alagoas, diz que tudo leva a crer que o objeto é o planeta Vênus.


“Percebemos, no vídeo, que, quando a pessoa dá um zoom, a imagem fica desfocada. O objeto se move no vídeo porque a câmera treme. Faltam alguns dados para confirmar que é o planeta. Resta saber, se o lado que a testemunha filmou o objeto é o lado que o sol se põe, aí confirmaríamos que se trata de Vênus”, afirmou. Romualdo disse que o planeta se põe rapidamente, em questão de 30 minutos, como foi descrito o suposto ovni pelo publicitário.


Segundo ufólogo, não há como se ter uma estatística sobre aparições de ovnis de Maceió. “É um fenômeno espontâneo e, por ser raro, pode acontecer a qualquer momento. Mas, geralmente de três em três anos, ouvimos relatos de pessoas que dizem ter avistado um ovni em Maceió”, afirmou, completando que em todo o Estado de Alagoas já houve algum tipo de relato, porém, fora Maceió, a cidade de Novo Lino tem uma grande frequência de avistamentos.


No terreno da ufologia, desde tempos remotos há vários tipos de formatos de óvnis, como esferas, triângulos e pratos, porém o ufólogo diz que a forma de prato predominou na maioria dos avistamentos em Maceió. 


“No início de novembro do ano de 1957, aconteceu o caso mais emblemático de óvnis em Alagoas. Os moradores de Maceió na época, em pleno dia, ficaram assustados, pois apareceram discos voadores pelo céu da cidade. O fato virou notícia no jornal local da época e da imprensa nacional na Revista Cruzeiro”, relata.


Radares da Aeronáutica não registraram objeto


O Destacamento de Controle do Espaço Aéreo (Decea) da Aeronáutica no Aeroporto Zumbi dos Palmares comunicou, na quarta-feira (30), que não houve registro de objeto no céu de Maceió no sábado (26) em nenhum dos três horários. A informação é da tenente militar Tunísia, do setor de Relações Públicas do setor.


A tenente Tunísia, do Decea – Maceió, ressaltou que não havia qualquer registro no livro diário de ocorrências na consulta que fez com a torre APP, que faz o controle de aproximação. “Não recebemos nenhuma informação oficial, nem do radar, nem da aeronave e nem da torre. No livro diário de ocorrências, não tem nada lançado sobre isso. O aparelho radar, quando detecta, é feita uma investigação, mas neste sábado não existe registro em nenhum dos três horários”, frisou.


Para tentar desvendar o que poderia ter sido visto pelo publicitário, o jornal Tribuna Independente ouviu ainda o tenente Feitosa, chefe de operações do Destacamento de Controle do Espaço Aéreo da Aeronáutica em Maceió.


Ele explicou, que quando um objeto estranho é detectado pelo radar, ou seja, que se assemelha a uma aeronave e se movimenta, o procedimento é ativar a defesa aérea em Recife, com as informações e posição do tráfego aéreo, assim sendo tomadas as providências cabíveis. “Mas preliminarmente não temos registros de objetos não identificados no espaço aéreo de Alagoas”, reforçou.


Segundo o chefe de operações, às vezes o que acontece é de alguma aeronave que não quer se identificar ou por apresentar algum problema de frequência não entrar em contato com o controlador de voo, mas ele percebendo na tela é acionada a defesa aérea.


“Estou na chefia há um ano e meio, e não há registros deste episódio, e também não temos estatística sobre o assunto”, salientou. Em Alagoas, de acordo com o tenente, não há relatos de detecção por meio do radar.


O tenente Feitosa concluiu dando uma orientação ao cidadão comum, para procurar os portais da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), o Decea ou o Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cemipa) e preencher um formulário fazendo as observações pertinentes acerca da identificação de objetos não identificados, dando assim a abertura de investigação por parte destes órgãos.

 
 
Jornal de Alagoas relata ovnis em novembro de 1957 (Foto: Reprodução)
 
 
Foto tirada em novembro de 1957 no bairro do Farol (Imagem: Reprodução) 
 
 
 
 

Especialistas japoneses começam a retirar os remos de barca solar de Keops



Especialistas japoneses e egípcios começaram a retirar os remos da segunda barca solar do faraó Keops achada na década de 80 junto à pirâmide levantada por este monarca no planalto das pirâmides de Giza (cidade egípcia), informou nesta quinta-feira o Ministério egípcio de Antiguidades. 


Em comunicado, o diretor-geral encarregado da restauração deste projeto, Issa Zeidan, afirmou que estes remos estão sendo extraídos em vários peças, e que a vara mede oito metros e a pá 178 centímetros. 


A primeira restauração dos remos foi realizada no interior do nicho original onde foi achada a embarcação. Nela, foram usados materiais de reforço devido ao mal estado em que se encontravam pelas altas temperaturas e a umidade do local da escavação arqueológica. 


Além disso, Zeidan destacou que serão tomadas todas as medidas técnicas necessárias para restaurar os remos e restituí-los à barca com a finalidade de exibi-los no futuro no Grande Museu Egípcio, que se encontra em construção e que espera-se que seja parcialmente inaugurado no final de 2017. 


Por sua vez, o supervisor arqueológico do projeto, Mamduh Taha, explicou no comunicado que os especialistas conseguiram até agora retirar cerca de 727 pedaços de madeira dos quais foram restaurados 698, dos quais, um total de 469 foram enviados ao Grande Museu para seu registro. 


O chefe da equipe japonesa e reitor da universidade japonesa Higashi Nippon International University, Sakuyi Yushimura, disse na nota que era provável que o número de remos totais somem 12. 


No final de agosto, o ministro egípcio de Antiguidades, Khaled al Anani, informou que os especialistas japoneses e egípcios encontraram peças de madeira "únicas" com elementos metálicos desta barca solar do faraó Keops (em torno ao ano 2.550 a.C.). 


A primeira barca de Keops foi descoberta em 1954 na parte sul da pirâmide de Keops, perto de onde foi localizada em 1987 em uma sala condicionada, para poder ser visitada pelos turistas. 




Fonte: Terra

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

O ovni de quatro braços que obrigou a NASA a interromper uma transmissão ao vivo


 
 
Ufólogos e entusiastas acusam a NASA de esconder informações sobre ovni que teria aparecido durante uma transmissão ao vivo da Estação Espacial Internacional.


Caçadores de ovnis alegam que a agência espacial norte-americana interrompeu a transmissão por conta da aparição do objeto voador não identificado próximo à Estação Espacial Internacional. O vídeo foi enviado ao canal Streetcap1 e, nele, vê-se o estranho objeto vigiando a EEI.



Segundo os caçadores especialistas de óvnis, é possível ver os braços saindo de uma estrutura principal. Além disso, pode-se observar também como a luz do Sol é refletida em toda a suposta nave. Esse reflexo seria um sinal evidente de que se trata de uma estrutura metálica.



Os ufólogos afirmaram que a NASA cortou novamente uma transmissão desse tipo e explicaram que o apagão se deu justamente quando a luz começava a iluminar com maior intensidade o ovni. 
 
 
 
 
Fonte: History

Publicitário filma suposto Ovni no céu de Maceió durante noite de sábado


 
 
João Queiroz registrou passagem do objeto voador no bairro Pinheiro.


O publicitário João Queiroz, que é estudante de Nutrição da Faculdade Maurício de Nassau, em Maceió, registrou em vídeo a passagem de um objeto voador não identificado no céu da capital alagoana. 


A gravação foi feita na noite de sábado (26), por volta das 19 horas, no momento em que João Queiroz retornava para sua casa, já no bairro do Pinheiro, e somente nesta terça-feira (29) a reportagem do portal Tribuna Hoje teve acesso às fotografias e imagens gravadas em vídeo com uma câmera Nikon L830 com 34 vezes aumento de zoom ótico. 


Ele conta que avistou um ponto luminoso muito forte no céu, algo que o publicitário ficou admirado pelo brilho e movimentos alternados. 


"Achei que fosse algum planeta que costuma passar perto da terra de vez em quando. Só que ele estava mudando de cor e parecia estar perto demais. Após uns 15 a 20 minutos, o objeto sumiu de repente. Eu estava com uma amiga e aluna comigo. Comentei com ela de que aquilo não era uma estrela por estar muito perto e também para ser um planeta pela proximidade", relata. 


João Queiroz disse que teve a ideia de pegar a câmera e dar uma conferida melhor para matar a curiosidade. 


"Em algumas fotos, eu ajustei luz e cor, apenas para ver com mais detalhes", disse. Fotos originais e dois vídeos podem ser vistos no link: https://drive.google.com/drive/folders/0BysGCVO90UCVX0R0S1dpSTZiUFU).



João Queiroz afirma não ter certeza de que seja um disco voador, mas também não sabe o que seria o objeto. "Eu não entendo dessas coisas e sempre achei que essas fotos e vídeos de avistamentos fossem montagens até ver isso que registrei em fotos e vídeos. Havia algo no céu em Maceió e tenho certeza de que não fui o único a perceber isso", acrescenta o publicitário. 


Ele conta que não divulgou o material antes por achar que poderia ser algum fenômeno astronômico. “Decidi aguardar o dia de hoje, onde fui buscar alguma noticia de alguma estrela, passagem de meteoro, planeta ou até algum satélite passando pelo Brasil no horário do avistamento, mas até agora não encontrei nada que pudesse explicar aquela aparição", salienta o publicitário, que solicita a análise das imagens por especialistas para esclarecer todo o episódio. 


"Eu apenas gostaria de saber do que se trata. Se alguém viu algo parecido, ou alguma notícia pela internet sobre algo nessa data", completa o publicitário.




Fonte: Tribuna Hoje

Relatório confirma avistamento de ovnis por ex-senador dos EUA


 
 
O relatório sobre o avistamento de dois ovnis foi mantido em sigilo por 61 anos, de acordo com um jornal britânico.


Depois de ficar sigiloso por 61 anos, foi tornado público um relatório feito pelo senador sênior e ex-presidente do Comitê de Serviços Armados dos EUA Richard Brevard Russell, onde ele conta sobre o avistamento de dois objetos voadores não identificados.


Segundo a informação publicada em um jornal britânico, em 4 de outubro de 1955, Russell estava na região da ex-União Soviética, coletando dados sobre o terreno da Transcaucásia quando, da janela do trem em que viajava, observou a decolagem de dois objetos de formato circular, próximos aos trilhos.


O acontecimento foi testemunhado tanto pelo senador quanto por dois assistentes seus, que, ao chegarem à embaixada americana em Praga, avisaram a Força Aérea dos EUA e foram interrogados pela CIA. 


A informação fornecida foi considerada “altamente confidencial” e mantida em segredo por todos esses anos. Sua relevância reside no fato de se tratar do primeiro relato oficial de um dos senadores mais influentes dos EUA, que declara ter sido testemunha do avistamento de ovnis. 




Fonte: History

Misteriosa pirâmide é encontrada pelo Google Earth na Antártida






Um mistério que gerou repercussão na internet foi desvendado recentemente. Graças ao Google Earth, uma “pirâmide” foi encontrada no meio da Antártida e causou dúvidas e curiosidade entre os internautas.


Porém, para tristeza dos que gostam de teoria da conspiração, trata-se apenas de uma montanha. E até mesmo a parte “nova” da teoria, que é descobrimento da montanha, é apenas uma versão nova de uma história que tem sido relatada há anos no Pólo Sul.


Desde a Expedição Antártica Britânica, que ocorreu entre 1910 e 1913, uma “pirâmide” foi encontrada sobre a geleira, mas a coisa foi mantida em segredo. Essa foi a primeira montanha com características que lembrar pirâmides a ser achada.


Agora uma segunda montanha reiniciou a roda das teorias da conspiração. Se tiver curiosidade, você pode encontrá-la nas coordenadas 79 ° 58’39.25 “S 81 ° 57’32.21” W no Google Earth. 


“As estruturas em forma de pirâmide estão localizadas nas montanhas Ellsworth, que é uma extensão de mais de 400 km de comprimento, por isso não é surpresa que haja picos rochosos que se espalham sobre o gelo. Os picos são claramente compostos de rocha, e é uma coincidência que este pico particular tem essa forma “, disse ao site IFLScience Mitch Darcy, geólogo do Centro Alemão de Pesquisa de Geociências em Potsdam.


“Não é uma forma muito rara, então também não é uma coincidência especial. Por definição, é um nunatak, que é simplesmente um pico da rocha que cola acima de uma geleira ou de uma camada de gelo. Este tem a forma de uma pirâmide, mas isso não o torna uma construção humana. “




Fonte: Yahoo!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...